59 anos sem Marylin Monroe

A atriz, primeira capa da revista playboy e responsável por cenas que desafiaram tabus, conseguiu até mesmo elevar o valor de mercado dos diamantes.

Foto: https://amenteemaravilhosa.com.br/sindrome-de-marilyn-monroe/

Completam-se hoje 59 anos da morte da atriz, modelo e cantora estadunidense Norma Jean Mortenson, encontrada morta ao 36 anos por overdose barbitúrica – que até hoje faz transitar narrativas entre suicídio e assassinato. Marylin deixou marcas ao longo de toda a carreira, inclusive intencionalmente, como é o caso do ‘happy birthday’ a John Kennedy, que pelo cansaço de um atraso saiu em tom provocativo, fazendo tabloides especularem um caso entre os dois, o que na verdade pode mesmo ter sido real, segundo algumas biografias.

Mulher de uma história de vida conturbada, alçou voo na carreira em 1950, com o filme “O Segredo das Joias”. Três anos depois, seria chamada para ser a primeira capa de uma tal revista Playboy.

O Brasil é responsável por uma homenagem um tanto quando informativa: o livro “O pai da Marilyn Monroe”, do professor e escritor gaúcho Lucas Martini. Grande fã de Marylin, Martini cria um romance policial onde um detetive é contratado pela artista para localizar seu pai, sem saber que ambos são velhos amigos.

A obra está disponível na Amazon.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s