Dunker: Bolsonaro é visto como pai por seguidores

A paternidade protetora, edipianamente sedutora, reguladora da sexualidade… O psicanalista Christian Dunker observa no culto a Bolsonaro um retorno à infância em tempos de angústia pós-moderna.

Apaixonado como criança em plena fase edipiana, o bolsonarismo tem na fixação sexual pelo “pai” uma válvula de escape para o problema da perda de identidade.

O ataque ao “outro”, típico do facismo, como bem aponta Jason Stanley no clássico “Como funciona o Fascismo”, é visto por Dunker como uma “cola” criada com o objetivo de aumentar a sensação de pertencimento e lealdade ao núcleo proto-familiar gestado.

A intelectualidade corajosa faz Dunker assumir o termo ‘fascista’, ao se referir a Jair Messias.

Christian Dunker recomenda, para maior imersão no tema, o texto Teoria freudiana e o padrão da propaganda fascista, de 1940, escrito por Theodor Adorno.

Acompanhe a análise do psicanalista:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s