O que muda na estrutura do poder político em Mococa?

2014(?) – Na foto a então prefeita Maria Edna (PSD) e o então Governador de São Paulo Geraldo Alckimin (PSDB)

Insisti em tentar responder essa pergunta com um “não muita coisa”… mas a real resposta é que nada muda, e a rede de relações de classe que se desenharam para determinar a vitória da familia Maziero em 2020 mostram essa relação.

O nome escolhido para dar rosto aos Maziero no executivo é Eduardo Barison, dentista e ex-secretário de saúde da gestão Maria Edna. Apesar das bases maçônicas, Barison pertence ao que se chama popularmente de “classe média” a qual preferimos chamar de pequena-burguesia.

Talvez pudessemos definir muito bem a pequena-burguesia através da frase “ele não é rico, ele é bem de vida”.

A pequena-burguesia não se beneficia diretamente da exploração do mais-valor da classe trabalhadora, mas é beneficiária das migalhas que caem da mesa, ou seja, se beneficia indiretamente da exploração, que desenha e cunha valores diferentes a trabalhos igualmente importantes, criando uma classe que, apesar de se considerar próxima à burguesia e militar em favor dela, está muito mais próxima da vida semi-escrava da classe trabalhadora.

04/01/2013 – Da esquerda à direita: Elisangela Maziero (PSD), o então diretor de saúde Eduardo Barison (Na época filiado ao PV, hoje ao PSD), a então prefeita Maria Edna Maziero (PSD) e o então vice-prefeito Adilson Guisso

Essa subordinação, é claro, reflete em todos os aspectos da vida… e é por isso que não se pode… Não se pode falar em estrutura de pode sem falar em dinheiro, em patrimônio, em condições materiais objetivas… ao contrário da burguesia, a pequena-burguesia sempre padece da necessidade da troca de favores, da qual quase sempre termina no prejuízo.

A administração pública em Mococa troca para o lado oposto e simétrico da mesma classe social…Maziero por Naufel, Naufel por Maziero, as rinhas entre a aristocracia de Mococa só fazem perpetuar a ilusão social de que algo melhor está por vir

Por que Barison?

A burguesia muda suas estruturas simplesmente porque ela tem que mudar… é a mudança que faz da burguesia, entra ano e sai ano, classe dominante. Mudando a folha de rosto das campanhas, mudando a relação com o centro fisiológico (Em Mococa, nomes como Cido Espanha, Elias de Sisto, Luiz Braz e Yê Baisi, por exemplo), mudando a roupagem, a cor dos grilhões com que explora, tudo isso para garantir que o povo esteja numa eterna miragem, imaginando que está ocorrendo em Mococa um filme Hollywoodiano com vilões e mocinhos que surgem para salvar o dia. E melhor ainda: o povo sente na ilusão do voto na direita que está participando da suposta mudança. Jamais sequer desconfia de que está sendo manipulado.

Nesse sentido, é natural que surja um suposto “novo caminho”… é a construção de uma narrativa para que o povo engula, com a ajuda de um gordo investimento publicitário.

Em resumo, as aparências mudam, mas as essências permanecem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s