Atrasos de pagamento geram falha na matrix e quase despertam a classe trabalhadora

Foi necessária mobilização da imprensa livre para que a Copromem pagasse a seus trabalhadores a pequena parte de tudo que eles produzem, a que chamamos de “salário”, derivado da palavra sal, o commodity usado no passado para representar trocas de valor.

Atrasos perigosos: o trabalhador quase despertou, quase abandonou sua farda apelidada de “pobre de direita”, onde defende o chicote do próprio algoz. Enquanto funcionários fazem textos em redes sociais defendendo os direitos do patrão, vira e mexe o tecido da matrix se rasga, e alguns ousaram pensar fora da caixa, até que o sistema os absorveu novamente… Mas valeu a experiência.

Nesse curto período de tempo, venho aos trabalhadores um torpor semelhante a uma alucinação febril, onde dizia “se o trabalhador tudo produz, a ele tudo pertence”. Talvez seja necessário dar algum agrado em forma de esmola pra trazer de volta os que ainda estão na perigosa fronteira entre a consciência de classe e a alienação, prontos para gritar novamente: “é tudo nosso”

Mococa possui classe trabalhadora ampla, mas alucinada, e é uma pena que assim seja… A ilusão do carvão que se acha diamante não pode ser desfeita senão olhando para dentro de si, e reconhecendo sua situação econômica, seus boletos atrasados, sua sina de viver pé a pé com a miséria, sendo salvo no último instante pelo suado salário mínimo, os supostamente justos 1045 de quem produziu 1.450.000 ao longo do mês.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s